Arquivo da tag: Grávida

Teatro sempre é bom

mae-gravida-uniao-cultural

Adoro ir ao teatro e aqui em São Paulo a pessoa que gosta fica maluca, por isso a dica do MMNED de hoje é a peça: Mãe, Grávida, Casada, Empresária, Feminista, Vegana em Apuros, da premiada atriz e diretora Pitty Webo.

Eu me identifiquei total com o título e sábado já vou correr pro teatro! E sabe o que é massa? Dá pra levar os pequenos também, por que haverá um telão exibindo desenhos animados pra eles se divertirem enquanto a gente assiste a peça, ou seja, vamos eu e Heitor 😀 Continue lendo

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on LinkedInEmail this to someone

Aline Kis – Doula

 IMG_20151206_234820

Lembram que eu falei, alguns post atrás (http://minhamaenaoedaqui.com.br/index.php/2016/03/01/afinal-o-que-e-uma-doula/) o que era doula? Pois bem, escrevi esse post explicativo porque conheci a Aline Kis e passei a admirar muito seu trabalho. Continue lendo

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on LinkedInEmail this to someone

Afinal, o que é uma doula?

Doula

Nunca tinha ouvido falar em doula até a gravidez de Heitor quando uma amiga (indignada por que eu queria ter Heitor de cesária), me perguntou: Celle, você tem doula? E eu respondi: Tenho não (fiquei com aquilo na cabeça e fui pesquisar o que era). No final das contas, realmente não tive.

De acordo com o o site: www.doulas.com.br ai vai a explicação.

O que significa “doula”

A palavra “doula” vem do grego “mulher que serve”. Nos dias de hoje, aplica-se às mulheres que dão suporte físico e emocional a outras mulheres antes, durante e após o parto.

Antigamente a parturiente era acompanhada durante todo o parto por mulheres mais experientes, suas mães, as irmãs mais velhas, vizinhas, geralmente mulheres que já tinham filhos e já haviam passado por aquilo. Depois do parto, durante as primeiras semanas de vida do bebê, estavam sempre na casa da mulher parida, cuidando dos afazeres domésticos, cozinhando, ajudando a cuidar das outras crianças.

Conforme o parto foi passando para a esfera médica e nossas famílias foram ficando cada vez menores, fomos perdendo o contato com as mulheres mais experientes. Dentro de hospitais e maternidades, a assistência passou para as mãos de uma equipe especializada: o médico obstetra, a enfermeira obstétrica, a auxiliar de enfermagem, o pediatra. Cada um com sua função bastante definida no cenário do parto.

O médico está ocupado com os aspectos técnicos do parto. As enfermeiras obstetras passam de leito em leito, se ocupando hora de uma, hora de outra mulher. As auxiliares de enfermeira cuidam para que nada falte ao médico e à enfermeira obstetra. O pediatra cuida do bebê. Apesar de toda a especialização, ficou uma lacuna: quem cuida especificamente do bem estar físico e emocional daquela mãe que está dando à luz? Essa lacuna pode e deve ser preenchida pela doula ou acompanhante do parto.

Continue lendo

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on LinkedInEmail this to someone

Quando descobri que estava grávida… – Parte 3 – SURPRESAAAAA

SURPRESAAAA

image2

 

Minha menstruação atrasou e eu nem percebi. Ai, depois de um tempão sem tomar Coca-Cola, tomei um gole da de Igor e achei o gosto estranho. Ai me dei conta do atraso da menstruação e Plim! A ficha caiu.

No outro dia fiz o exame de farmácia e lá estava eu, mais grávida do que nunca.

Sabia que setembro eram as férias de Dr. Carlos, ai (#aloka) marcou outro médico, fiz todos os exames, ultra e já marquei a ida pra Dr. Carlos. Nesse meio tempo iríamos pra Recife, comemorar meu aniversário lá. Fiquei com bastante medo de viajar de avião, mas liguei pro meu médico, falei com outro médico também e eles falaram que não tinha problema.

Também não contamos a ninguém, exceto a Brenda (que é a madrinha de Heitor e vai ser a madrinha do bebê também), pois como eu não podia fazer nada muito pesado (inclusive pegar Heitor no colo por muito tempo), ela que iria me ajudar com ele.

No final de outubro fomos de novo pra Recife e ai não tinha como esconder, porque minha barriga já estava aparecendo (mais gordura do que bebê, é verdade) e eu estava com 9 pra 10 semanas. Contamos as pessoas mais próximas ou aquelas que iríamos encontrar. Eu também acredito que do mesmo jeito que desejamos o bem pros outros, tem pessoas invejosas que nos desejam o mal (mesmo que inconscientemente), então como cautela e canja de galinha não faz mal a ninguém… E o engraçado é que as reações das pessoas foram exatamente como eu esperava, alguns com reações negativas e pitis por eu estar grávida e por outros motivos que não vem ao caso, por incrível que pareça (alguém ai vai comprar leite e fralda pro meu filho? Oi?), mas a grande maioria ficou tão feliz como nós estamos.

Heitor ainda meio que abstrai a informação que vai ganhar um irmãozinho, mas quando o bebê nascer ele já vai estar com 2 anos e 2 meses, ai vai entender mais.

Agora estou com 15 semanas e a gravidez esta correndo super tranquila. Os enjôos foram embora (dessa vez enjoei muito mais do que da gravidez de Heitor).

A notícia triste é que não vamos pra Recife no final do ano. Como esta tendo um surto de bebês com microcefalia e que muito provavelmente ele é transmitido pelo mosquito da dengue para as mães que pegaram a Zika, achamos melhor não me expor a sorte. Estou bem triste mesmo, fico contando os dias para essa viagem de férias (mesmo indo várias vezes pra lá durante o ano)… agora vamos ver qual vai ser nossa programação do natal e do reveillon. Por que o importante é o bebê estar e ficar bem.

 

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on LinkedInEmail this to someone