Arquivo mensais:março 2016

A Páscoa, os ovos de chocolate e Eu (ou Heitor)

Presentear as pessoas com ovos é um costume antigo, comum entre os povos que habitavam a região do Mediterrâneo, do Leste Europeu e do Oriente.

Alguns historiadores afirmam que o hábito de oferecer ovos de galinha pintados surgiu no Antigo Egito, na Pérsia e entre algumas tribos germânicas.

Antigamente, os ovos (de galinha) eram cozidos e pintados com desenhos, durante as festividades para a chegada da primavera. E assim eram trocados, representando a esperança de fertilidade do solo e de colheitas cheias.

A arte de pintar ovos e dá-los como presente também passou a ser um ato comum nas festividades cristãs, onde se desenhavam imagens de Jesus e de Maria, principalmente. O significado do ovo de Páscoa, do ponto de vista religioso, é o renascimento. O ovo é considerado simbolo do nascimento e da vida

Acredita-se que os ovos de chocolate entraram na tradição das festas da semana santa por que alguns historiadores falam que esse símbolo surgiu depois do século XVIII, sendo inventado de confeiteiros franceses. Já outros dizem que essa culpa é toda dos ingleses, no século XIX, quando teve a revolução da industria do chocolate. Continue lendo

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on LinkedInEmail this to someone

Afinal, o que é uma doula?

Doula

Nunca tinha ouvido falar em doula até a gravidez de Heitor quando uma amiga (indignada por que eu queria ter Heitor de cesária), me perguntou: Celle, você tem doula? E eu respondi: Tenho não (fiquei com aquilo na cabeça e fui pesquisar o que era). No final das contas, realmente não tive.

De acordo com o o site: www.doulas.com.br ai vai a explicação.

O que significa “doula”

A palavra “doula” vem do grego “mulher que serve”. Nos dias de hoje, aplica-se às mulheres que dão suporte físico e emocional a outras mulheres antes, durante e após o parto.

Antigamente a parturiente era acompanhada durante todo o parto por mulheres mais experientes, suas mães, as irmãs mais velhas, vizinhas, geralmente mulheres que já tinham filhos e já haviam passado por aquilo. Depois do parto, durante as primeiras semanas de vida do bebê, estavam sempre na casa da mulher parida, cuidando dos afazeres domésticos, cozinhando, ajudando a cuidar das outras crianças.

Conforme o parto foi passando para a esfera médica e nossas famílias foram ficando cada vez menores, fomos perdendo o contato com as mulheres mais experientes. Dentro de hospitais e maternidades, a assistência passou para as mãos de uma equipe especializada: o médico obstetra, a enfermeira obstétrica, a auxiliar de enfermagem, o pediatra. Cada um com sua função bastante definida no cenário do parto.

O médico está ocupado com os aspectos técnicos do parto. As enfermeiras obstetras passam de leito em leito, se ocupando hora de uma, hora de outra mulher. As auxiliares de enfermeira cuidam para que nada falte ao médico e à enfermeira obstetra. O pediatra cuida do bebê. Apesar de toda a especialização, ficou uma lacuna: quem cuida especificamente do bem estar físico e emocional daquela mãe que está dando à luz? Essa lacuna pode e deve ser preenchida pela doula ou acompanhante do parto.

Continue lendo

Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on LinkedInEmail this to someone